terça-feira, 23 de dezembro de 2008

It´s a plane... It´s a rocket... It´s a Siena...











Não concebo como é que nunca ninguém pensou nisto…

Quem é que devia ter acompanhado Maria às aulas de preparação do parto?... O carpinteiro José ou o Espírito Santo?... Admito que esta questão tem assaltado a minha mente (o que atesta a minha relação com a quadra natalícia). Atendendo ao seu estatuto formal, José estaria vinculado a essa responsabilidade; no entanto, e dada a sua ocupação profissional, na arte da Carpintaria, será que teria disponibilidade de tempo para tal? Será que o Espírito Santo, que, segundo consta, já na altura estaria por todo o lado, e a quem nunca ninguém conheceu estatuto profissional definido, não deveria dar uma ajudinha? Fica a dúvida…

(De)Formação em Técnicas de Atendimento by SATA (I)

Lição número um
Nunca proferir, a dois passageiros, cujo voo de ida e regresso foi alterado sem qualquer tipo de aviso prévio, e, consequentemente, sem cumprimento dos pressupostos regulamentares, que se dirigiram ao aeroporto na hora referida no bilhete que possuíam, a seguinte pérola:

“Eu não tenho culpa de não haver aeroporto em Coimbra!”

Não… Não foi interessante.


Lição número dois
Nunca responder, aos mesmos passageiros, a seguinte frase, em resposta à pergunta sobre quais seriam as compensações previstas para casos de cancelamento de voo, não comunicado aos passageiros:

“Dê-me um tempinho para ler o folheto… São muitas alíneas para saber de cor!”

Não… Não foi interessante.


Lição número três
Nunca sugerir, e ainda aos mesmos passageiros, possuidores de um bilhete para um voo que deixou de existir, muito embora estivesse confirmado pelos serviços da própria companhia aérea, a seguinte ideia:

“Os senhores podiam perfeitamente ter ligado a confirmar se tinham voo…”

Foi tão interessante como qualquer uma das anteriores.

Siena

Arranjar um animal de estimação… entre 0 a 500 euros;


Ter uma Siena… priceless!

Acho que, definitivamente, sou um gajo modesto…

Tenho sido um dos salvadores de não sei quantas instituições bancárias e de uma infinidade de empresas; tenho sido um dos faróis para o sistema financeiro português nestes tempos de tormenta e tempestade, mas continuo o mesmo! Deve ser o carácter distintivo dos verdadeiros super heróis… E, vocês, como têm lidado com o vosso estatuto de salvadores do sistema financeiro?...

A amiga secreta…

Vi há pouco, em mais um exercício jornalístico de incomensurável valia da SIC, que os membros do Governo ofereceram um cheque-prenda de 2550 euros a José Sócrates, por altura da época natalícia. Será que tal corresponde a um qualquer plano de recuperação da indústria têxtil portuguesa? Será que, face a isso, foi a Caixa Geral de Depósitos que o comparticipou?...

Intermezzo...

Um tratamento à base de doses massivas de trabalho, de viagens sucessivas e de ruminações obsessivas impediram o normal funcionamento do pasquim... Mas, pelo menos por enquanto, como o Código do Trabalho prevê o gozo de férias, consigo voltar ao activo...

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

É assinar senhores, é assinar...

Aqui está uma petição que vale a pena ler... É sobre a Académica e o triste estado a que ela chegou... Leiam e, se acharem útil, marquem uma posição...

http://www.petitiononline.com/AAC1876/petition.html

To: Sócios e simpatizantes da AAC-OAF
A profusão de situações duvidosas verificadas nos últimos tempos na Associação Académica de Coimbra - Organismo Autónomo de Futebol não podem deixar os verdadeiros académicos indiferentes. Ver o nome da Académica envolvido nas teias da lei, associado a esquemas financeiros pouco claros, conotado com incumprimentos vários e com notícias negativas constantes na comunicação social, tem sido uma constante nos últimos anos. Adicionalmente, tem sido notória a total inexistência de uma política social, desportiva e universitária coerente e que honre os pergaminhos do clube e da instituição. Face a tudo isto, há que demonstrar a indignação, dar uma voz à vergonha que sentimos e à dor que nos assalta, clarificando perante os órgãos directivos da AAC-OAF o total repúdio por muitas das suas atitudes e pela forma como contribuiram para desvirtuar a verdadeira Académica, aquela que muitos de nós já começam a esquecer e que outros não podem, pura e simplesmente, conhecer. Aqueles que abaixo assinam, manifestam a sua total discordância e repúdio pelo estado a que chegou a AAC-OAF, demarcando-se totalmente dos seus órgãos directivos, exigindo a tomada de medidas que respeitem os seus verdadeiros valores, identidade e singularidade académica.
Sincerely,
The Undersigned