segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Só pode ser engano...

No dia em que, mantendo a coerência da sua política desportiva, o Benfica emprestou um jogador internacional português ao terceiro classificado do campeonato, eis senão quando ãcaba de contratar um jogador português.... Só pode ser engano, meus amigos.

Aguarda-se a "errata", o pedido de desculpas ao jogador pelo inconveniente e a contratação de um qualquer desconhecido imberbe de um país da América do Sul, nas próximas horas.

Os cornos da megalomania...

Eu até percebo que o pessoal da tauromaquia terceirense queira que aceitem (ainda mais) a sua causa... bem sei que se eriçam quando lhes é dito que pretendem resumir uma ilha culturalmente riquíssima ao fenómeno tauromáquico e que se ofendem quando lhes é apontada um certo narcisismo, megalomania e arrogância intelectual.

Mas, num fórum taurino em que se discute as formas de comunicação do fenómeno tauromáquico, colocar um logótipo em que são colocados cornos no mundo inteiro... coloca-vos um bocado a jeito para tais críticas, não?... Pois.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Uma sugestão gastronómica...

Sim... efectivamente, o mundo deve estar para acabar, como proclamam alguns arautos da desgraça. Só isso pode justificar o facto de psilipe se estar a voltar para as lides gastronómicas e de, supreendei-vos, recomendar receitas em que alterou aquilo que estava escrito, melhorando a mesma.

Aqui ficam umas letras que, depois de respeitadas, permitem confeccionar uma bela jantarada.

Receita de Tortellinis Gratinados (dá para quatro pessoas ou para dois psilipe)

Ingredientes a comprar:
- 500 gramas de tortellinis (por exemplo, daqueles verdinhos com ricotta com espinafres) - poderão sempre fazer os torellinis em casa ou experimentar com raviolis;
- 1 cebola bem picadinha;
- 2 folhas de louro;
- 4 dentes de alho;
- 400 gramas de tomate pelado em lata;
- azeite a gosto;
- 150 gramas de bacon;
- 150 gramas de cogumelos inteiros e não laminados;
- 500 gramas de molho béchamel;
- 150 g de mozzarela ralada;
- Orégãos, sal e pimenta q. b.

Como preparar:
1. Numa panela, com bastante água a ferver, tempere com sal e um fio de azeite.
Junte aos poucos os tortellinis. Deixe cozer o tempo necessário até que fiquem "al dente". Depois de cozidos, retire-os e deixe-os repousar. Idealmente, não deverão estar muito tempo, antes de os adicionar ao molho.

2. Numa frigideira grande, tipo wok, leve ao lume o azeite, a cebola, os alhos e a folha de louro.
Mexa e deixe refogar um bom bocado, sem deixar queimar o alho em excesso. Após um pouco junte o bacon e os cogumelos (recomendo daqueles pequenos, cortando-os ao meio, sem laminar que ficam muito bem visualmente).

3. Junte o tomate pelado de lata e deixe refogar bem, enquanto mexe. Tempere com sal, pimenta e orégãos. Mexa e deixe fritar um pouco, sem exagerar.

4. Depois de tudo estar cozinhado, retire as folhas de louro e junte os tortellinis que estavam a repousar (o menor tempo possível), mexendo vigorosamente para misturar tudo. Deixe cozinhar um pouco para tomar gosto, mexendo sempre que necessário para que não pegue ao fundo.

5. Num tabuleiro de ir ao forno, coloque no fundo um pouco de molho béchamel e espalhe bem por todo o fundo. Por cima espalhe o preparado e cubra-os com o restante molho béchamel. Polvilhe com o queijo ralado, de forma abundante.

6. Leve ao forno a gratinar nos 180º aproximadamente 30 minutos. Depois de gratinado, retire, sirva e agradeça ao psilipe o repasto.

Isto calha bem, com um tinto jeitoso... Duas sugestões: Burmester (está a uns cinco, seis euros nos hipermercados) ou Quinta do Cabriz Reserva (uns quatro euros). Para entrada, um pão de alho cairá bem...

A receita foi retirada daqui, e alterada por mim depois de ter experimentado fazer isto por duas ou três vezes. Penso que fica melhor com as pequenas alterações que descrevo...

Carta Aberta ao Cidadão Éderzito António Macedo Lopes

Caro Senhor Éderzito,

Antes de mais, esclareço que lhe escrevo na condição de adepto e sócio da Académica de Coimbra e que, para mim, mais do que um emblema desportivo, a Académica é uma escola de valores e de ideais, cuja singularidade e valor é, para mim e para todas as pessoas de bem, completamente inquestionável.
Feito este intróito, à laia de declaração prévia de interesses, dirigir-lhe-ei algumas palavras, depois de uns dias, ou melhor dizendo de umas semanas, de uma estranha permanência do senhor na mente dos académicos, face às razões pela qual a mesma aconteceu. Esclareço a utilização do adjectivo estranho, para que se perceba o seu alcance… Sempre nos habituámos a admirar o senhor como um exemplo de querer em campo, de abnegação, de alguma qualidade futebolística e como um exemplo de superação de dificuldades na sua esfera pessoal e desenvolvimental, atendendo ao percurso sobejamente conhecido ao longo da sua vida, em que o curto tempo cronológico foi inversamente proporcional às dificuldades que enfrentou. Nunca nos chocou que utilizasse a braçadeira de capitão de equipa, apesar da sua tenra idade, face a tudo o que referi, aspecto reforçado pelo facto de, na nossa crença de adeptos, confiarmos nas suas declarações de amor à Académica, de acreditarmos no significado da exteriorização dos seus actos e de lhe reconhecermos valor futebolístico mas, fundamentalmente, valor humano.
Muito nos orgulhou, num movimento amplamente elogiado, que tenha homenageado o Dr. José Barros, aquando da marcação de um golo… Foram inúmeros os comentário elogiosos, naquilo que todos entendemos como mais um movimento de quem percebe a realidade onde está inserido, atingindo que a Académica não é só uma mera colectividade desportiva, como diria Manuel Machado.
Eis senão quando, chegados ao tradicionalmente efervescente mercado futebolístico de Janeiro, nos começamos a confrontar com inúmeras notícias, rumores e manchetes sobre o senhor, cuja natureza e expressão, inapelavelmente, envolvem a Académica. Confusões, indefinições, muito dinheiro à mistura (quiçá demais para um jovem de 24 anos?...), encontros e desencontros, fugas de encontros e silêncios incompreensíveis. E em todas as notícias, em todos os jornais, em todas as peças televisivas, sempre o bom nome e emblema da Académica presentes, facto que a todos os académicos de bem custou imenso.
Ninguém critica a sua intenção de melhorar de vida, melhorando salário e perspectivas desportivas. Aliás ninguém criticou o seu colega Sissoko, quando este saiu da Académica há umas semanas atrás. Aliás a forma como saiu, acautelando os interesses do clube que o formou, mereceram elogios de todos os quadrantes. E, penso que falo por outros, quando digo que desejamos todo o sucesso do mundo ao Sissoko na sua vida desportiva e pessoal.
Aquilo que criticamos é o facto de o seu descuido, egocentrismo e, porventura, ganância envolver a Académica, clube que o projectou para o mundo do futebol, depois de uma carreira absolutamente secundária. Aquilo que lhe apontamos  é uma enorme falta de reconhecimento pelo clube e uma gritante ausência de respeito pelo mesmo e pelos seus adeptos e sócios. Aquilo que constatamos é que, pela sua reiterada conduta, o senhor abdicou da possibilidade de ser um exemplo para outros miúdos, nomeadamente para aqueles que, tal como o senhor, têm, tiveram mais desafios ao longo da sua vida e menos oportunidades de desenvolvimento de uma escala de valores positiva. Atenção, senhor Éderzito, falo de valores humanos e não financeiros… não quero que se confunda, mais uma vez.
Por fim, deixo-lhe uma pequena curiosidade. Sempre achei piada ao facto do seu nome próprio ser um diminutivo, divertindo-me a pensar como que alguém com um nome tão “pequeno” poderia vir a ser um ponta de lança atemorizador. Hoje temo vir a constatar, dentro em pouco, que tal pequenez no nome encontra eco na pequenez do seu valor enquanto homem.

Cumprimentos,

Filipe Fernandes
(sócio número 1006 da AAC/OAF)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Nunca esquecer...

... que existem sempre várias perspectivas para as coisas. E que, aqueles que têm a sorte de ser psicólogos/aprendizes de feiticeiros, não são possuidores da verdade absoluta. E ainda bem...

As férias da fé...

O mundo num estado instalado de descrença e desesperança, com o futuro minado pela incerteza, e descobrimos que a Nossa Senhora andava a fazer um cruzeiro. Meu Deus, o mundo está perdido! A fé também mete férias e navega pelo Mediterrâneo...


segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Num hipermercado perto de si...

... está a campanha que pode mudar a velhice de um nosso bem conhecido ancião. Sempre que pagar os seus impostos, pode escolher arredondar o valor, revertendo o mesmo para o auxílio ao nosso Presidente da República para enfrentar as dificuldades dos tempos troikados em que vivemos.

Vá lá... não custa nada. Arredonde e faça o nosso PR sorrir!

Bem sabemos...

... que devíamos arranjar um jipe para as vezes que nos aventuramos pelos trilhos da Ilha. Podíamos fazê-lo? Podíamos, mas não seria a mesma coisa do que com o nosso rebento motorizado.

A pequena exploradora

Pelos caminhos do Geocaching

Duas princesas em busca de mais uma cache ou, como diria a Mariana, de mais um tesouro do Geocaching para os lados da Agualva, Ilha Terceira.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Cavaco Silva e as dependências...

Penso que as declarações de hoje de Cavaco Silva, em que referia que perto de 10000 euros por mês mal chegavam para as despesas, foram injustamente descodificadas... Penso que, no fundo, não passavam de um pedido de ajuda. Cavaco Silva caíu nas malhas das drogas, consumindo todos os seus recursos mensais. É a única explicação que encontro, para que aquilo que ele disse tenha um mínimo de sentido...

Não se brinca com estes assuntos. A droga é uma coisa muito séria, que destrói famílias...

Shame on you!

E a pergunta do dia é...

O que raio é um funcionário público?

Uma bela malha dos Pixies

Hoje apeteceu-me ouvir estes senhores. Mais de vinte anos depois, e por muito que muitos se esforcem, continuam a ter um som inconfundível. E, ao psilipe, é impossível ouvir isto e não relembrar imensas coisas da sua aborrecência, bem como agradecer à sua irmã (que muito admira) pela forma como o apresentou a tanta música de qualidade...

É impressionante...

... a forma como o desejo de controlo, que domina tantos de nós, é um bicho intratável, cuja voracidade nos mina o crescimento e a felicidade, enquanto nos explora vulnerabilidades que, por vezes, nem sabemos que possuímos.

Mas vale, sempre, a pena não fechar as portas à esperança. Mesmo!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

domingo, 15 de janeiro de 2012

Que treta...

A Académica perdeu, hoje, uma boa hipótese de voltar a vencer, em casa, o clube de Guimarães que, no ano passado, levou três secos em Coimbra. Hoje a Académica acaba por perder o jogo, por manifesta inépcia própria e por uma clara felicidade dos nortenhos. Nem Habib, esse semi-Deus, nos salvou, num jogo marcado pelas limitações do plantel da Académica e pelo cansaço de uma equipa que jogou a meia-final da Taça na passada Quinta-Feira, sendo que o Sporting beneficiou de um dia extra. Critérios de um calendário que ninguém compreende.

Três notas. Primeiro para a equipa de Guimarães; nem quero pensar no orçamento desta equipa, atendendo aos nomes do plantel que, no fundo, fez uma exibição fraca e, simplesmente, afortunada. Nem quero imaginar o que ganham João Alves, Pedro Mendes, Nuno Assis, Nilson, João Paulo, Edgar, Toscano, Targino,... 

Segundo, quem não tem a sorte de poder ir ao estádio, tem que levar com a SportTV. Que vergonha o nível da narração e dos comentários ao jogo, mais uma vez. O narrador passou noventa minutos a ver em campo o jogador Abdoulaye, que estava na bancada castigado. Pelos vistos, jogámos com doze. Só visto... O comentador, chamada Vitor Paneira, ou sofre de uma perturbação perceptiva na análise ao jogo (o que pode explicar a sua carreira de treinador) ou está ressabiado depois da passagem pela Académica.... indescritíveis apreciações de alguém que viu um jogo qualquer, mas não o jogo da Académica que passou na televisão, hoje. E não é a primeira vez que tal senhor assume tal postura com a Académica... Que desgraça para aqueles que pagam uma mensalidade para levar com estas coisas... Uma ode ao masoquismo é o que vos cabe fazer, meus amigos.

Terceiro, penso que estavam mais adeptos do Guimarães a querer bater nos próprios dirigentes, um destes dias, em Guimarães do que hoje no estádio... Faz sentido e dá razão àqueles que, como eu, se indignam como a massa adepta do Guimarães (que possui os seus méritos, atenção...) é endeusada de uma forma, absolutamente, parola... São gostos que não só se discutem, como se lamentam.

Há lá cidade mais bonita no mundo?

Um vídeo bastante bem conseguido sobre a mais bela cidade do mundo. Importa que se explique que o título se deve às questões (que nunca serão resolvidas) com o clube de futebol de Guimarães (aquele que esteve envolvido numa fraude monumental em 1987, que ditou a descida da Académica), que visitará a Catedral do Calhabé amanhã. Permite desconstruir alguns argumentos que o pessoal de tal cidade utiliza, quando, prescindindo de capacidade crítica, vociferam contra Coimbra por tudo e mais alguma coisa...

Indo além do folclore futebolístico, o vídeo é muito interessante para todos aqueles que, quais cãezinhos de Pavlov, destilam fel sempre que se fala de Coimbra, se ouve um trinado de Fado de Coimbra ou se vislumbra uma capa e batina. E, sim, também é terapêutico para muitas pessoas que vivem em Coimbra. E que, no fundo, não percebem a sorte que têm...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Hoje houve Taça!

Hoje provou-se que a Taça de Portugal é única, que é a prova que mantém vivos alguns dos valores principais do jogo da bola, neste cantinho à beira mar plantado. Quinze mil pessoas, numa Quinta-Feira à noite, num jogo entre os sextos classificados da Primeira e Segunda Divisão. Um estádio a vibrar. Muitos portugueses em campo. Futebol nem sempre bem jogado, mas recheado de emoções. Ausência de picardias estéreis e anti-desportivas. O clube mais pequeno a agigantar-se em vários momentos da primeira parte, o mais forte a ser mais feliz no último fôlego do jogo, vencendo com justiça. Pela televisão, acho que houve Taça! Houve uma festa, à volta de um jogo de futebol. Não podia ser sempre, não devia ser sempre assim?...

Ah, por favor, não me venham com a história da arbitragem... Desprestigia um óptimo treinador (Pedro Miguel), retira o foco daquilo que foi bonito e enviesa a história do jogo. Os factos falam por si: o canto é assinalado aos 4 minutos e 2 segundos, originando o golo aos 4 minutos e 27 segundos. Se quisermos ser rígidos, há que dizer que quatro minutos de compensação foi muito, muito curto para as várias "lesões" verificadas. Mas, não vamos por aí. O caminho para o Jamor far-se-á por caminhos diferentes!


Para o psilipe ficam alguns pontos importantes... Se formos à final ponderarei a hipótese de alterar o meu primeiro nome para Habib, fazendo uma tatuagem com o nome do senhor que fez esta coisa linda e a inscrição "Habib 2012"... Estamos a noventa minutos, e em vantagem, de se concretizar um dos sonhos da sua vida (ver a Académica, no Jamor)... Porra, como é difícil estar na Terceira, nestas alturas...

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

IURD - II

Continuando a saga pela Folha de Portugal, encontramos algumas pérolas... Passo a citar:

"Literalmente, a palavra dízimo é uma derivação do termo hebraico asar, significando décima parte. Mas se analisarmos a sua raíz, descobriremos que quer dizer acumular, crescer, enriquecer..."

De facto, com a história do dízimo há quem acumule, cresça e enriqueça... Makes sense. Afinal os senhores dizem a verdade... Salvé, Edir Macedo.

IURD - I

Quem conhece o psilipe sabe que me é difícil resistir a um jornal, seja ele qual for. Tal facto origina expressões de espanto (não é, Fintas?) quando admito que leio todos os dias o Diário Insular e A União, jornais do burgo terceirense, bem como qualquer outro jornal que me caia nas mãos. E, antes que alguém pergunte, sim... a Dica da Semana está incluída.

Eis senão quando* me cai na caixa do correio a Folha de Portugal, periódico oficial da IURD e uma das pontas-de-lança da estratégia de comunicação & marketing de tal empresa.

Uma leitura, mais ou menos, atenta permitiu constatar que a presente edição é, no fundo, uma matrioshka, uma daquelas bonecas russas com uma miniatura de si mesma no interior. A páginas tantas, a IURD publica um artigo sobre o "Querido Líder" da Coreia do Norte onde, por sua vez, encontramos uma descrição do seu sucessor...

Got it?

* Ora aí está uma expressão que deveria ser utilizada mais vezes...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A ditadura dos mercados...

Moody´s, Fitch e Standard & Poor's baixam o rating de Izmailov para "junk". Gabriel Alves baixou o rating do russo para "Michael Thomas".

domingo, 8 de janeiro de 2012

Resoluções de ano novo...

Nunca curti semelhante coisa. Nunca gostei da facilidade de nos deixarmos encadear pela ilusão da mudança instantânea e indolor, prostituindo o percurso, o caminho a percorrer para a sua concretização. Sabendo da tendência da  patroa para a fantasia e sonho, procurei realizar, nos últimos anos, o ritual das passas sem falta alguma. À ingestão ritualizada de uma passa por cada desejo/ilusão respondia, invariavelmente, com uma mão cheia de uvas passas para a cavidade bucal, imediatamente deglutidas e com um pensamento automático que se assemelhava a algo como "que as merdas corram bem"... Sim. Também utilizo vernáculo em excesso nos meus diálogos internos. Este ano, no entanto, não houve passas, nem resoluções automatizadas de Ano Novo. No fundo, não houve qualquer fenómeno de condicionamento pavloviano em que a sensação de um número excessivo de passas na boa funcionava como gatilho para um vão sentimento de esperança e de reconversão. E tal não fez falta. Mesmo nenhuma. E, por curiosidade ou não, há muito que não avaliava um ano com um rating tão positivo. AAA não diria, atendendo à conjuntura e aos factores imensos que não conseguimos controlar, mas um A bem sólido faz-me sentido, estando em Janeiro de 2012. Vamos a dia sete e o espírito vai-se mantendo... A miúda cresce, o amor floresce, os amigos abraçam, o quotidiano recupera a sua tranquilidade, a Académica está a 180 minutos da Final da Taça de Portugal, o futuro não assusta. Pessimismo? Como diria o Joe Berardo, "fuck you".

Um bom ano.

sábado, 7 de janeiro de 2012

A mais bela cidade do mundo no New York Times...

Ah pois é... A mais bela cidade de Coimbra foi alvo de uma peça na secção Travel do New York Times, no blog Frugal Traveler.

Vale a pena ler, apesar de o viajante poder ter sido melhor orientado na sua visita.

Especialmente indicado para quem transpira um ódio irracional, e inexplicável, por Coimbra. Mas, para alguns viciados num inenarrável pós-modernismo, haverá um momento em que verão a luz.

http://frugaltraveler.blogs.nytimes.com/2012/01/03/a-portuguese-university-town-both-familiar-and-foreign/

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Mecânica psilíptica

Poderá o veículo psilíptico, habituado a circular em quarta a fundo a queimar o red line, avariar se continuar muito tempo a laborar em cruise control, à velocidade de um condutor domingueiro?... 

A resposta é não. O que não significa que não seja necessário reprogramar a "centralina". Work in progress...