quinta-feira, 31 de maio de 2012

Usurpação de funções?!

Começa a incomodar-me um pouco que possa acabar na prisão se, um destes dias, me auto-intitular como padre e celebrar missas e baptismos (fico-me por aqui, não incluindo a parte da pedofilia), mas que, por outro lado, um padre se possa arrogar do estatuto de psicólogo, seja ufanado como tal pela sociedade, realizando umas quaisquer terapias que, porventura, inventou, sem que ninguém se questione sobre as suas habilitações para tal e sobre a perigosidade/perversidade de tais aventuras narcísicas...

Mas, por outro lado, e pensando por outro prisma, há tantas classes que se arrogam do estatuto de psicólogos populares... porque raio não poderia um padre fazer parte de um clube que inclui taxistas, barbeiros, manicures, strippers. Graças a Deus.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Convém lembrar que...

...há, mais ou menos, uma semana, a Académica ganhou a Taça de Portugal em futebol, numa extraordinária festa no Jamor.

Sim, somos campeões.

video

It's the end of the crisis as we know it...

Os companheiros que frequentam este espaço com maior assiduidade, além de possuírem problemas sérios do foro psicopatológico comprovados por tal hábito, deverão ter reparado numa contagem decrescente colocada no lado direito do blogue. Corria o mês de Novembro, e quando ainda era uma esperança do Governo, qual Porfírio da política portuguesa, quando Álvaro, o ministro cool, proclamava o início do fim da crise durante o corrente ano...

Sim... deve estar quase. Mas, mal por mal, é melhor esperar sentado...

Parece o Inimigo Público... mas não é...

Vivemos num mundo estranho que passa por tempos bem estranhos... As notícias de hoje dariam uma edição inteira do Inimigo Público ou de qualquer publicação que procurasse viver de notícias inventadas, mas com potencial de provocar um sorriso nas pessoas ou para satirizar realidades. Preparai-vos, pois ireis entrar numa espécie de Quinta Dimensão... Todas as notícias, muito embora possam não o parecer são rigorosamente verdade. O José Vilhena não faria melhor...


Manchete

Merkel indica Berlim, num mapa, como sendo na Rússia


Chamadas de capa

Cavaco Silva destaca que os australianos necessitam do nosso "cock*" para engarrafar o seu vinho

Um jogador de futebol foi expulso por não querer cantar o hino do seu país

Enfermeiras trabalham a troco de casa, comida e roupa lavada


Páginas interiores

FLA irá realizar uma manifestação pública a favor independência dos Açores em Junho de 2012

Jardim alvo de uma moção de censura na Madeira que poderá conduzir a um governo de salvação regional

Presidente do FMI escarnece contra um país europeu e os seus habitantes


500 crianças da Casa Pia usadas como cobaias em estudo

Moody's elogia Portugal


Estranho, não?...


* Palavra inglesa que significa pirilau, mas em feio.

EUA: a sociedade que não acredita em bruxas, simplesmente precisa de acreditar em bruxas...

Nick Hanauer é um senhor que, pelo que pude perceber, tem dinheiro para burro, que ganhou com vários negócios de sucesso relacionados com a Internet. Nick Hanauer tornou-se mais conhecido, ainda, pelo facto de uma conferência que realizou nas TED Conferences ter sido censurado por tal organização, ao não ser divulgado na Internet no site da mesma.

E porquê, perguntar-se-ão? Porquê censurar uma conferência, num espaço que se distingue pela forma como se dá voz à criatividade, irreverência, inovação e pensamento "out of the box"? 

Na sua conferência, o milionário Nick, num exercício que considero refrescante, defende um novo modelo de organização fiscal, que privilegie uma maior sobrecarga das classes mais abastadas (o propalado 1%), sustentando que o poder de Criação de emprego está na classe média, e no seu poder de consumo, e não na classe dos capitalistas empreendedores, tão endeusados na sociedade americana. Defende que o reforço do poder de compra da classe média, que evoluíu a uma velocidade bem menor do que os ganhos do tal 1% mais privilegiado, permitiria alavancar a economia de uma forma bem mais pujante, permitindo que os mais ricos continuassem o seu nível de enriquecimento associado a uma maior qualidade de vida e maior rendimento anual daqueles que beneficiam de menor fulgor na sua conta bancária.

Claro que o senhor não é um perigoso esquerdalho", defendendo, simplesmente, aquilo que pensa ser a forma de conseguir aumentar, ainda mais, os seus rendimentos... no entanto, professa um conjunto de ideias que penso serem dignas de atenção e que o tornam tudo menos um perigoso incendiário, doutrinário de esquerda. Pena que, tal como já se sabia e tal como noutras sociedades, não haja espaço para a troca de ideias livre na sociedade americana. A censura realizada é um claro exemplo disso... 

Quando já não existem bruxas para caçar, há que inventá-las...

Abaixo, fica o vídeo da conferência do senhor Nick Hanauer, numa universidade americana.


No vídeo seguinte, encontramos uma entrevista/interrogatório realizada por um profissional da FOX News, estação televisiva que funciona como megafone ultraliberal no país do Tio Sam, assumindo a sua parcialidade e enviesamento e a sua saga contra a presidência de Obama, em nome da América conservadora, ultraliberal e ideologicamente rígida nos seus ideais de Direita. Nele fica visível a necessidade de prosseguir a caça às bruxas, alargando-a o máximo possível... É impressionante como a questão já não é acreditar, ou não, nas bruxas, mas, simplesmente, não saber viver sem elas. Mesmo que elas não existam. O senhor McCarthy, no seu túmulo, deve estar orgulhoso.

A silly-season futebolística - versão 2.0

Quem conhece psilipe sabe do seu fascínio pelo mundo do futebol, visível nos últimos tempos no seu pasquim informático, que levavam a que, enquanto petiz, soubesse o clube em que jogava todo e qualquer ser humano que fosse futebolista e que jogasse acima dos Distritais. As transferências* dos jogadores eram, consequentemente, acompanhadas ao pormenor, numa permanente actualização da sua base de dados futebolística. psilipe cresceu, mas a mania não se extinguiu... Face a tal, o período que surge após o final dos campeonatos é, de forma pavloviana, seguido com atenção, o que lhe permite ter um lugar de plateia para esta autêntica silly-season.

No ano passado, e na tentativa de procurar testar a frequência de disparates da silly-season futebolística, no defeso (período compreendido entre o término do campeonato e o início da época seguinte), procurei elencar o número de jogadores apontados/indicados pela comunicação social como futuros elementos do plantel do Benfica na época 2011/2012. O exercício foi feito e permitiu encontrar um número bem interessante e, por outro lado, constatar o número elevado de disparates que têm que acontecer para justificar o número bem silly de media que subsistem com base no futebol (e não no desporto, que é uma coisa bem diferente e que seria bem mais desejável...).

Este ano, repetirei o exercício, voltando a utilizar o Benfica como cobaia. Não porque aprecie tal colectividade mais do que outras, mas porque é o clube que mais vezes surge nas parangonas.

E o disparate continua... A partir de 20 de Maio até hoje, todos estes jogadores já foram referidos como futuros elementos do plantel do SLB.

Caballero, Ola John, Éder Luís, Kardec, Salvio, Yannick Augemon, Fábio Silva, Derlis Gonzalez, Rojo, Ederson, Hugo Vieira, Simão, Fidel, Elia, Enzo Pérez, Djaniny, Funes Mori, Melgarejo, Oblak, Miguel Rosa, Ismael Yartey, Ansaldi, Siqueira,...

And counting... and counting...

A contagem será realizada numa caixa lateral aqui do pasquim...

A que número chegaremos? O que vos parece?...


* Vamos utilizar o termo transferências, uma vez que, desde puto, psilipe nunca gostou do termo "comprar" e "vender" jogadores... chiça, são pessoas**!


** Chamar "clientes" às pessoas que frequentam consultórios de Psicologia Clínica também é coisa que não gosta muito... Aliás, que detesta.

Euro 2012: mais um exercício de negação colectiva

Honre-se o futebol nacional, e a sua Selecção, como um exemplo atípico de sucesso e de demonstração de qualidade nacional... Exulte-se pela forma como conseguimos, através da bola, alcançar lugares cimeiros em ranking de coisas positivas, que não impliquem o consumo de substâncias psicoactivas. Reconheça-se a forma como, através da Selecção, se projecta a imagem de Portugal e se angaria atenção positiva para o nosso país de uma forma eficaz, que poucas outras actividades conseguem, superando a utilidade prática de muitos milhões de euros gastos em promoção turística (não é, Manuel Pinho?...).

Mas, meus amigos, prosseguir a partir dos pontos de vista que elenquei e cavalgar desajeitadamente nos degraus na longa escadaria do delírio colectivo e da negação das evidências, é outra coisa totalmente diferente... Bem sei que, à auto-estima colectiva do País, é demasiado fácil não aproveitar a possibilidade de se enganar, durante umas semanas, com a doce fantasia de um sucesso futebolístico, que permitiria suplantar várias potências europeias, Angela Merkel. Bem sei que, à boa maneira lusitana, temos um craving genético para estas narrativas de suplantação, em que os Davides em dificuldades constroem sucessos estrondosos, quais underdogs que goleiam os malfadados Golias. Bem sei  tudo isso mas, como alquimista da mente que sou, tenho uma tendência inexorável para confrontar os pensamentos, ideias e expectativas com a realidade.

E, ao fazê-lo, diria que se torna bastante racional apanhar o elevador para o rés-do-chão da humildade e da razoabilidade das ideias. Senão, vejamos... Abaixo coloco um possível onze, produzido a partir dos 23 convocados pelo Paulo Bento. Dirão aqueles que se agarram, com unhas, dentes e pitons de chuteira, ao aparente embalo da negação delirante que este onze é muito diferente daquele que entrará em campo... Respondo que uma Selecção é forte pela média dos seus componentes e não pela existência de meia dúzia de futebolistas de excepção... Por muito que nos custe, os tomahawks do CR7 não chegam para derrotar todos os Adamastores.

Beto
Miguel Lopes, Ricardo Costa, Rolando, Miguel Veloso
Ruben Micael, Custódio, Hugo Viana
Nelson Oliveira, Hugo Almeida, Quaresma

Esperemos que o País não se magoe no brusco retorno à realidade que acontecerá pela Europa de Leste... Mas, atenção, não se entenda que psilipe é um ser cruelmente racional. Não. Apenas tem noção das consequências nefastas para o ego nacional do descontrolo das expectativas e do retorno doloroso à realidade.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Um momento alto...

... que valeu bem mais do que uma Taça. Significou a reafirmação de identidade, de singularidade, de valores únicos e o sublinhar daquilo que Coimbra e a Académica representam. Foi lindo. Foi um privilégio lá ter estado e ter feito parte da festa. Sim. Assisti a uma festa, não a um mero jogo de futebol. Assisti a algo mais do que um jogo da bola, ou não estivesse em campo a Briosa... somos muito mais do que um colectividade do jogo da bola, por muito que tantos não o compreendam, respeitem e não usem da reverência a que o bom sendo obrigaria. Numa palavra, obrigado.


PS: depois de ter estado no Jamor, torna-se impossível entender que tantos e tantas critiquem o facto de a final da Taça ali ser jogada... A atmosfera é única e respira-se um ambiente que imuniza contra o mercantilismo que mina o futebol moderno (seja lá isso o que for...). Retirar a Taça do Jamor será contribuir para o seu declínio e para a sua morte enquanto festa do futebol e não, simplesmente, festa de três clubes ditos grandes.


quarta-feira, 16 de maio de 2012

Ou se tem... ou não se tem...

Os marketeers do FC Porto acharam por bem, na sua página de Facebook, promover a sua suposta omnipresença nacional à custa de Coimbra e, indirectamente, da Academia, num estilo bem trauliteiro e parolo.


A Académica respondeu com classe.



Ou se tem, ou não se tem.

E Domingo que nunca mais chega...

Domingo psilipe vai estar no Jamor.

Domingo psilipe vai ver in loco a Académica na Final da Taça.

A partir de Domingo só lhe fica a faltar escrever o raio do livro para cumprir o seu roteiro... Já plantou uma porrada de árvores, já fez a bebé mais espectacular do mundo e já viu a Académica no Jamor.

terça-feira, 15 de maio de 2012

segunda-feira, 7 de maio de 2012

A economia dos prefixos...

Nestes tempos em que a economia é omnipresente e omnipotente, sejamos coerentes. Falemos de economia, mas, desta vez, sem falar de dinheiro, nem de mercados, nem de dívida. Falemos da economia dos prefixos. Poupemos em alguns e façamos da semana que agora se inicia uma boa semana...


domingo, 6 de maio de 2012

A miúda do Exorcista...

... deve estar cheia de inveja da capacidade de rotação do pescoço do Edinho. 

Sim, o homem falha golos que se farta. Mas este golo é um espectáculo. Esperemos que seja o golo da salvação e da manutenção. É que ir ao Jamor na Segunda Liga será bem agridoce. Mas se for, que seja! Na Primeira, na Segunda, nos Distritais a Académica será sempre única. E, tal como noutras alturas, contra tudo e contra todos, estaremos de volta. Mas, obviamente, esperemos que o Jamor receba uma Académica motivada pela manutenção, disposta a pintar de preto* o Jamor. 


Não, não é uma homenagem ao Yekini.

Lá na France...

... parece que ganhou o Hollande. Nem em bicos de pés o Sarkozy lá chegou.

No Reservations in Lisbon

Gosto do Anthony Bourdain e do seu No Reservations. Gosto do estilo e da sua fuga genuína ao mainstream gastronómico-turístico-cultural. No episódio que aqui publico, encontramos o nosso Anthony na nossa Lisboa. Encontramo-lo, entre bifanas, camarões ou pregos no pão, a embrenhar-se no país. Apreciamo-lo, entre finos, morcelas ou ginjinhas, a absorver uma cultura*. Apreciamo-lo a gostar do que é nosso. Gostei de ver este programa, onde foram vincadas, sublinhadas e valorizadas vários aspectos da nossa portugalidade, alguns dos quais marcados por uma enganadora e enviesadora simplicidade... "Bifana, fucking good!, diz ele... Portugal, é do caralho!, digo eu. Mesmo que, em tempos de tempestade, possa não parecer.



* A relação do Bourdain, se bem me lembro, com Portugal começou nos tempos em que, em início de carreira, contactou com vários portugueses nas cozinhas onde trabalhou. Várias são as referências, em entrevistas, à qualidade de trabalho dos mesmos e à forma como lhe permitiram um primeiro contacto com sabores, iguarias e tradições nacionais.

Deus ou Jesus?

Depois de ler esta declaração, concluí que Vitor Pereira padece do mesmo problema que psilipe quando frequentava a catequese em Vila Nova de Monsarros. Também confunde Deus com Jesus.






Numa palavra...

...liderança. Tendemos, muito comummente, a confundir liderança com autoritarismo, quiçá ainda em ressaca de quase meia década de ditadura. Tendemos a confundir líderes com ditadores. Neste vídeo, que retrata a despedida de Pep Guardiola, treinador do FC Barcelona, constata-se a forma como todos os presentes saúdam o seu futuro ex-treinador e como no futebol moderno (como gostam de dizer os teóricos da bola de hoje) ainda é possível observar valores muito interessantes. Por fim, saudar a forma como o Barça é, riam-se se quiserem, tal como a Académica mais do que um simples clube de jogo da bola. É, Realmente, imenso.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

terça-feira, 1 de maio de 2012

Dia Mundial do Jazz

Diz-se pr'aí que ontem foi o Dia Mundial do Jazz... parece-me bem.






O novo slogan do Pingo Doce...


Chuck Norris @ Pingo Doce?

Parece que houve vários cataclismos sócio-culturais em várias delegações do Pingo Doce por este país fora... Aqui fica o cartaz do filme que será realizado, um destes dias, e que retratará toda a barbárie e carnificina humana (e moral?) deste dia do Trabalhador.