domingo, 16 de junho de 2013

Onde fica Angra no meio do turbilhão eleitoral? Pois...

Começou a habitual loucura eleitoral pré-eleições autárquicas em Angra do Heroísmo. Mesmo estando aqui há apenas oito anos, não é difícil de adivinhar que serão, porventura, umas das eleições mais importantes desta minha cidade.

Angra definha. Angra suplica por atenção, por respeito, por reverência. Angra deveria ser digna de um entendimento supra-partidário, digno daqueles que a dizem amar, superior a cores, a interesses ou a maquinações e oportunismos eleitoralistas.

De um dos lados, e pensando nos dois maiores partidos, vejo a habitual máquina vencedora de eleições, e construtora de narrativas, alicerçada num redentor senador partidário, após anos demasiado turbulentos da vereação existente. Do outro, vejo o desejo assumido de tornar a cidade numa cidade tauromáquica e um discurso demasiado bairrista/eleitoralista, repartido por um gasto duo dinâmico. Dos dois lados vejo acusações, algumas das quais caricatas de tão descontextualizadas. Dos dois lados, vejo mais do mesmo, mais partidocracia, distante da cidade, da população e das suas forças vivas. Não vejo, aliás ninguém vê, esperança.

Diz-se que, muitas vezes, quem vem de fora consegue ter um olhar singular sobre os locais, muito diferente da visão dos nativos que, plenos de rotinas e enviesamentos, nem sempre são os melhores juízes. Aliás, quase nunca somos juízes em causa própria. Assusta-me, enquanto angrense adoptado, o rumo que a minha cidade trilha, nalguns casos chegando a pontos sem retorno de difícil aceitação, num mar de oportunidades desperdiçadas, sem vislumbre de um rumo, de uma estratégia orientadora, alicerçada na matriz da cidade, nos valores e significado único que possui.

Angra merece mais do que tem tido. Angra, em todo o seu esplendor e plenitude, não aguentará mais quatro anos de estagnação. Angra tem limites para a flagelação.

Angra merece mais. Pelas curtas amostras demonstradas até agora, temo pelo tempo perdido.

E a UNESCO continua a dormir... E, isso sim, é uma pena.

sábado, 15 de junho de 2013

O que se aprendeu, hoje, com a Mariana... - XX

Acordar, chegar à sala e ver a Mariana a ver o Canal Panda com um cachecol da Académica.

Aprendeu-se, mais uma vez, que o bom gosto não tem idade.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Pfffff.... (psilipe a assobiar para o lado...)

psilipe em 2009: "No dia que a Mariana entrar numa marcha, a única coisa a fazer é regressar ao Continente!"

psilipe em 2013: "Mariana, correu bem o ensaio da Marcha?"

psilipe mesmo, mesmo agora: pfffffff... (sim, estou a assobiar para o lado...)

Mas, a sério, no dia que for a pé a Serreta*... aí não haverá hipótese.

* Versão terceirense da ida a Fátima, para os não terceirenses.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Novo desafio do GV que vai permitir descobrir, de borla, uma lição de vida!

Corria a década de 70, quando um insuspeito senhor chamado William Steed decidiu congregar em 21 livros um "Curso de Relações Humanas", colecção essa com que dei cá em casa, penso comprada pelos senhores que me fizeram.

Em vinte e uma publicações o autor discorre sobre temas como "conversação eficientes", "como aumentar a longevidade" ou "capacidade de chefia", numa colecção de lições de vida e de autênticas pérolas!


No vigésimo primeiro livro, o senhor William Steed realiza um resumo do Curso, congregando as mais importantes lições de vida descritas nos livros anteriores. Imperdível.

 Em mais uma manifestação de serviço público, o GV dá-vos a oportunidade de se melhorarem enquanto pessoas obtendo, de forma gratuita, um ensinamento do senhor William Steed! Provar-se-á que em qualquer local do livro está um ensinamento, um mandamento ou um ponto de vista que fará de todos nós pessoas melhores! O que seria do mundo sem o Curso de Relações Humanas!

E perguntam "psilipe, como posso ser melhor pessoa e obter um ensinamento?". Fácil, basta indicar na caixa de comentários um número de 2 a 77 (página do livro). Nessa página, irei encontrar uma frase que irá mudar a vossa vida, provando, igualmente, que a catarse do mundo está nestes vinte e um pequenos livros.

Infalível! Despedi-vos das vossas velhas pessoas... Ides ser melhores pessoas!

segunda-feira, 3 de junho de 2013